Lembrará de mim pelo eterno!
Alguns são capazes se perguntar por vezes o quão será sua longevidade. A vida ─ uma dádiva divina ─ concedida aos homens em busca da continuidade, ao meu ver. De acordo com alguns pensadores, baseados em suas mentes evoluídas, este presente não passa de uma propriedade que caracteriza os organismos cuja existência evolui do nascimento até a morte. Somos então uma demonstração de que nada eterno? Nossa existência tem fim. A carne é consumida, o carbono é degradado e ao fim da noite, não há mais seu ser. É atormentador imaginar o quão insignificante parece ser. A história irá te esquecer. Nós perdemos entes amados a cada segundo que se passa. E não importa o quanto os amamos, ao longo daquilo que define como "vida", os esquecerá. "A história irá te esquecer", ouso repetir em alto e bom som.

— [RP FECHADA] COFFEE AND SEX, PLEASE?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

— [RP FECHADA] COFFEE AND SEX, PLEASE?

Mensagem por Anakin Van-Zee Corcoran em Qua Dez 02, 2015 8:22 pm

COFFEE SEX, PLEASE?


Essa uma RP FECHADA, onde somente Anakin e Mackenzie estão autorizados a postar,em exceção a Staff. Possíveis cenas para maiores de dezoito anos ou vinte e um anos, tirem as crianças da sala. -qn

Night Sins Coffe — Fim de tarde
Filhos de Ares
avatar
Idade do Personagem :
20


Ficha Meio Sangue
Nível: 8
Vida:
310/310  (310/310)
Energia:
310/310  (310/310)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: — [RP FECHADA] COFFEE AND SEX, PLEASE?

Mensagem por Anakin Van-Zee Corcoran em Qua Dez 02, 2015 10:53 pm


And your cocaine tongue

O quê? Não foi isso que combinamos, seu cuzão! — Bati contra a mão de um bendito filho de Hermes, que tentava me passar a perna mais uma vez. Quando ele iria aprender que não se pode enganar alguém tão esperto — e incrivelmente foda — como eu? As dracmas caíram sobre a calça e fui obrigado a esconder parte das ervas em meu bolso novamente, olhando para os lados enquanto minha mão automaticamente agarrava-o pelo colarinho, pressionando-o contra a parede de um estabelecimento que exibia peças íntimas femininas. Percebia os olhares alheios em minhas costas, surpresos e preocupados com uma briga do qual possui apenas um agressor: eu. ‘‘Mano...’’Mano é o meu caralho. Se quiser a droga da minha erva vai me pagar o que deve ser pago ou vai ter que pagar uma cirurgia pra remontar sua cara. — Ameacei dessa vez em um tom contido perante as testemunhas que poderia ter caso se tornassem conscientes do que carregava comigo. Por mais que os filhos de Hermes/Mercúrio fossem facilmente reconhecidos como contrabandistas, obviamente não são tão duros na queda como as proles do deus da guerra, que possa facilmente se livrar de forças superiores e cobrar o que se deve sem problema algum. Felizmente, sou o único que se encontra no mercado neste meio e creio que a maioria deve se dar o valor de não desejarem ter suas nádegas chutadas com a concorrência que poderiam ser para mim. — Agora sai da minha frente, antes que eu faça picadinho de ti. — Soltei a gola de sua camisa, continuando de costas para que a vontade de socar o rosto desse infeliz fosse saciada com as dracmas que viriam com tais ameaças. Ou das faixas que teria que comprar depois de foder com meus dedos ao usar esse idiota de saco de pancadas.

Tirei o maço de cigarro de meus bolsos e coloquei um cigarro entre os lábios para que conseguisse pegar meu isqueiro. Fumar faz mal. Você existir faz mal. Estava farto das pessoas tentarem me dizer o que eu tenho que fazer ou o que seria melhor. Poupe-me e cuide da sua maldita vida. Revirei os olhos, dando uma longa tragada assim que acendi a ponta do cigarro, soltando a fumaça que anteriormente preencheu meus pulmões, pelo nariz. Balancei a cabeça negativamente, enquanto terminava o cigarro em mais três tragadas. Que as feiticeiras conseguissem salvar meus pulmões ou acabaria morrendo de causas naturais — cujo são vinculadas com o estresse que eu passo com aqueles que se recusam a pagar devidamente pela minha mercadoria, como se eu fosse mais um vendedor de quinta. Não se dá pra lucrar com missões, na maior parte do tempo eu acabo com mais uma arma para meu arsenal ou com alguma maldição por ter desapontado algum deus. Não dá pra agradar todos, afinal. Ainda mais quando se trata de um grupo de pessoas egoístas e mesquinhas que estão somente preocupadas com seus pertences e de procriar dentre mortais — é a mais pura verdade e vocês tem que lidar com isso.

Joguei o cigarro no chão e pisei em cima para apagar o pequeno naco que restou, logo não tardou para que meus olhos fixarem-se em uma faixada, da qual conseguia ver uma morena olhando em minha direção, parecia curiosa e ao mesmo tempo crítica. Poderia ser gostosa, mas não estou a fim de levar um sermão antes de uma transa. Que seus peitos sejam grandes e que os deuses me abençoem para tanto. Com  este pensamento, rumei em direção ao café de aparência pouco chamativa para mim, mas lar de algumas intrigas da qual tiveram a honra de ter minha presença e curta participação. Meus dedos passaram entre meus cabelos, certos de que se encontrava em costumeira desordem. Perfeito. Afastei meu olhar da atendente que me lançava um olhar irritadiço, mas mantive o sorriso cínico em meus lábios.

Se importa? Pois eu não.Você claramente sabe como chegar em alguém, Anakin. Sentou-se defronte a morena, fixando-se nos olhos castanhos e atraentes, no entanto, não era isso que importava. Meu olhar decaiu sobre o decote da mesma e não tardou para que analisasse o restante de suas curvas descaradamente, com um sorriso malicioso, dessa vez, preso em meus lábios. Mordi o lábio inferior e fiz um sinal para que a garçonete se aproximasse, sem tirar o olhar de minha desconhecida e sexy companhia. — Um café preto e qualquer torta que seja calorosamente gordurosa. — Fiz meu pedido sem perder minha expressão, dando uma olhada rápida no cardápio e descartando-o logo em seguida ao quase jogá-lo no rosto da garçonete — e não foi por falta de mira.  — O quê vai querer, minha deusa? Só pra constar, não estou no cardápio, mas posso ser servido em sua cama. — pisquei em sua direção, mostrando bem mais de minha gentileza inexistente, apenas quando quero comer alguém.

You get nothing done
CREDITS @
Filhos de Ares
avatar
Idade do Personagem :
20


Ficha Meio Sangue
Nível: 8
Vida:
310/310  (310/310)
Energia:
310/310  (310/310)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: — [RP FECHADA] COFFEE AND SEX, PLEASE?

Mensagem por Mackenzie Hoenn Lëvoux em Ter Dez 08, 2015 3:15 am

It drowned in the tide
— A única resposta para Circe ter te aceitado,   acredite, já pensei em todas as possibilidades, é a seguinte: ela estava chapada de Flor de Lótus. —  A loira esbravejou novamente, as íris azuladas fixas na criatura que jazia sentada em um banco da praça. — Até uma novata saberia fazer a poção, mas nãooo, Quíron pediu à você… A única feiticeira que sequer sabe em que fase lunar estamos.— A morena revirou os olhos automaticamente, havia coisas melhores a se saber, afinal bastava uma olhada no Google e pronto- todavia, a sua líder discordava fortemente de suas maneiras de adquirir conhecimento. Certamente qualquer novata poderia preparar a poção, tratava-se de uma coisa simples, para o fortalecimento em batalha, o motivo de Quíron ter pedido para a morena preguiçosa era óbvio. Ela era preguiçosa e devia trabalhar. — Circe queria Alyssa e a Reed, eu vim de brinde.— resmungou a contra gosto, não precisava dar explicações a loira rabugenta. — Ah, querida, acho que deveria saber que vendi fogo grego aos filhos de Ares. — A feiticeira branca entrou em colapso, sua face rosada adquiriu um tom arroxeado e seus olhos pareciam prestes a saltar das órbitas, enquanto isso a prole de Perséfone abria um sorriso sarcástico e divertia-se as custas da outra. — Acho melhor correr, hoje tem o Caça.

No final da rua viu a cabeleira loira desaparecer, uma vez livre tratou de levantar-se e seguir o mesmo caminho da companheira. Havia aquele ar de “companheirismo” e todo a babaquice de Natal, as lojas enfeitadas e muitas pessoas com muitas sacolas, não era uma coisa que Lëvoux apreciava. Ganhar presentes era divertido, se atracar a lutar pela última peça da coleção, não, obrigada. A realidade era simples, a rapariga era egoísta demais com as pessoas, sendo as únicas exceções aquelas duas criaturas que são congruentes a si- Circe ainda não conseguira lhe transformar em uma pessoa altruísta e boa. Feiticeira Negra, traidora conhecida e dissimulada ao máximo- embora sua patrona se esforçasse, diferente das irmãs, seu comportamento não se tornara mais sensato e respeitável. Mack roubava, mentia e enganava. — Está atrasado, garoto idiota. —  e lá ia ela novamente. — Vamos, me pague um café ao menos.

A prole de Hermes tinha os olhos levemente arregalados, ela só não sabia dizer se era devido ao pacote de Flor de Lótus ou o preço do mocca, ela apostava mais na segunda opção. Os traficantes do chalé 11 eram ótimos quando o assunto era produtos mortais, contrabandeavam alguns produtos divinos, mas jamais conseguiam vender FDL que prestasse- sendo feiticeira e lidando com muitas produtos dessa origem, ela era a fonte do alucinógeno. — Dracmas, não esqueça do aumento, cobro taxa por atraso. — O rapaz, Jake, jogou uma bolsinha na mesa e avidamente guardou o produto. — Terá uma festa hoje, estou arranjando a diversão, passe lá mais tarde. Não vou pagar o seu café. — Amélie arqueou a sobrancelha no mesmo instante, que idiota não pagaria um café? Ah, rapaz, é praga de Circe. Feiticeiras não deveriam gostar de homens, mas ela gostava e graças a maldição - Obrigada Hera- não recebia punição por seus constantes deslizes. — Saia. — Suas transações eram rápidas, simples e limpas, não gostava de coisas complicadas e era certamente preguiçosa demais para bolar um plano todo esquematizado. Sem pressa guardou a bolsinha de dracmas em sua mochila, levou alguns bons segundos para ouvir o tilintar, revirou a mesma até encontrar o batom vermelho que adorava- pescou junto um espelhinho. — Minhas pragas continuam boas.

Jake estava em apuros, de onde estava confortavelmente sentada no café podia enxergar a cena, a cria de Hermes tinha seus pés a alguns centímetros do chão enquanto outro cara o ameaçava. Não era preciso ser um gênio ou ouvir as palavras, pelos gestos do outro já era possível entender alguma coisa. Acho que o dinheiro que ele busca está aqui comigo. O pensamento a fez sorrir maliciosamente, mas no instante em que suas íris captaram que o estranho a fitava desfez o sorriso. Ele quer brincar. O jovem adentrou no café e veio parar logo a sua frente, com suas maneiras arrogantes e definitivamente confiantes sentou-se a sua frente. Mackenzie o observou analisar o seu corpo descaradamente, de maneira mais discreta fez o mesmo, mas diferente do outro logo tratou de esconder suas intenções. — E..eu, ah! Já pedi um café e alguns cookies. — Logo em seguida recuou estrategicamente, encolhendo os ombros como se quisesse se proteger do rapaz. — É filho de Ares...Imag-gino. — Enquanto fitava a mesa, que aliás precisava de uma nova toalha, corou inocentemente e aproveitou o instante em que o desconhecido fitava seu decote para avalia-lo. Vamos brincar, garoto. O quão inteligente é? — Sou Amélie, o que você quer? N.Não sou boa em brigar, filha de Apolo sabe. Ah, eu não vi nada. — A moçoila sorriu timidamente, dando de ombros, embora seu interior estivesse rindo descaradamente, ela ainda tinha um pouco de paciência pra bancar a boa moça. Ao menos agora alguém iria pagar o seu café.

Wake me slowly Or watch me fall;

_________________



MACKENZIE AMÉLIE HOENN LËVOUX
Ela vai embora deixando os bebuns pra trás!
Feiticeiros
avatar

Ficha Meio Sangue
Nível: 20
Vida:
670/670  (670/670)
Energia:
670/670  (670/670)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: — [RP FECHADA] COFFEE AND SEX, PLEASE?

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum